22 de agosto de 2010

Como é que o brasileiro vive assim?

Não consigo entender como é que coseguimos viver com a lógica do ganha pouco e paga muito.

Como estamos morando muito longe dos nossos empregos, estou estudanto os preços de aluguéis em bairros mais próximos. Mas é inacreditavelmente caro!

Então comecei a fazer os cálculos: Para se morar num bairro com acesso fácil à transporte público você pagará cerca de R$1500,00, mais condomínio de cerca de R$300,00. Se tem um filho terá que pagar escola particular para ele. E nessa vão pelo menos R$ 600,00. Se tem carro financiado estará pagando parcelas mensais de cerca de R$ 500,00. Para ter TV a cabo, telefone e internet são mais cerca de R$ 180,00. Compras de cerca de R$ 600,00 mensais, conta de celular, gastos com lazer, gasolina, etc...

A renda deve ser de no mínimo de R$ 4000,00!!

Ok, talvez para você essa renda seja real ou até abaixo do seus ganhos, mas temos que lembrar que não estamos na média. Deve-se lembrar quem é a maioria na cidade de São Paulo. Quantos ganham R$ 4000,00 por mês?

Durante uma pesquisa acadêmica da qual participei sobre políticas públicas, coletei dados sobre a renda média da população de acordo com os distritos onde moravam. A renda média mensal da população residente da região de Guaianases (distrito da zona leste de São Paulo) é de R$ 649,00, contra uma média de R$ 4000,00 da renda dos moradores da região de Pinheiros (zona sul de São Paulo). Mas onde trabalham os moradores de Guaianases? E como é que essas pessoas conseguem viver ganhando tão pouco?

Até poderíamos entrar no jogo de gastar tudo o que ganhamos para termos o mínimo de conforto: poder chegar cedo em casa após o trabalho, ter os filhos em boas escolas, uma casa aconchegante. Mas se optarmos por isso acabaremos presos por um círculo de dependência e não conseguiríamos reunir o valor necessário para fugir dessa enrascada.

Não é fácil ter que escolher não ser uma mãe tão presente quanto eu gostaria de ser, e ver os dias passarem voando sem poder parar para respirar um pouco. Se não definirmos metas a vida passa e deixamos de vivê-la. Podemos sim pagar pelo conforto em São Paulo, mas estaremos tranquilos? Estaremos realmente vivendo?

O que alivia um pouco a minha culpa é saber que estou fazendo esse sacrifício por uma vida de maior qualidade para minha família.


Categories:

6 comentários:

Pat disse...

Olha, não mudo uma virgula do seu post. Estou na mesma situação e penso igual pro futuro...
Fico me imaginando no futuro, com filhos morando perto do serviço. Precisaria de uma renda de uns 10.000 reais pra poder bancar um apto numa região boa, escola boa, convênio médico, carro, lazer, viagens etc... e ainda viver com medo. Realmente não quero isso pra minha vida futura...
Algum tempo atrás até pensamos em procurar algo perto do serviço (eu moro na penha, trabalho em congonhas e meu marido em socorro), e olha, são esses valores que vc falou mesmo... Se sairmos dos fundos da casa da minha mãe, au revoir poupança-canadá....rs O jeito é realmente se esforçar e aguentar mais um pouco essa vida de 3 horas diária de transito (qnd não tem transito...rs)
Beijos

Marcos disse...

vc está no módulo 4 da EFQ ?

Paola Tavares Silva Wortman disse...

sei que nao e facil. seria hipocrita da minha parte dar conselhos pois levo uma vida relativamente sossegada (quando nao tem bomba). nao trabalho perto de casa, sao 40 km, mas levo 30 min. de carro. trabalho de 8-15 e levo e busco minhas filhas nas respectivas escolas - 07.30-15.45. quando nao estao na escola, estao comigo. meu marido tb esta bem presente. e mesmo com toda esta condicao familiar queremos ir pro canada, por outros motivos, claro. pense que e uma fase, que passara logo. imagino a sua angustia (nao sei se aguentaria) mas como vc disse vc tem seus objetivos e o sacrificio no presnte sera justificado por uma melhor perspectiva de vida no futuro (bem melhor!). forca e paciencia! beijos, paola

Sandro e Família disse...

Muito bom o post que apenas reforça um dos motivos por que escolhemos criar nossos filhos aqui em terras do norte.

Já tem alguns anos que tento encontrar resposta para a pergunta inicial do post e não consigo....quem sabe o país do futuro me responda um dia.

Abraço

Anônimo disse...

Bem, acho que o melhor é se sacrificar por um tempo como: não ter tv a cabo (que não é nada barato), diminuir o lazer, ter um celular pré-pago, colocar o filho em uma escola pública, andar de ônibus para economizar gasolina.... Para todo sonho que queremos concretizar, temos que fazer sacrifícios...

Nanny Kyrillos disse...

Oi pessoal,
estou passando para divulgar a palestra gratuita que a Maria João fará no dia 1 de out de 2010 sobre o processo de imigração.
Aproveitem a oportunidade para sanar todas as suas dúvidas.
Mais informações no Unzipcanada.
Beijos

PS: tomei a liberdade de divulgar aqui por achar útil a muitos dos seus leitores! Bjs :-)